BENS CULTURAIS E HISTÓRICOS DE JUIZ DE FORA

Em construção
Aeroporto (bairro):
-Aeroclube de Juiz de Fora, Avião Monomotor PP-GAN.
Alencar Tristão (rua):

-Nº 236: Fazenda da Tapera.
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ 
Andradas (avenida dos):
-Igreja de São Roque
.
-
Nº 197: Antigo Mercado Municipal;

-Nº 765: CCPL, Chaminé e fachada do prédio de 03 pavimentos;
-Nº 855: Igreja da Glória;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ - Dezembro de 1894-Nº 1036: Colégio Santa Catarina;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ - 1900
-Nº 1215: Remanescente da Fábrica Ferreira Guimarães + duas chaminés.
https://stephanimigracaoalema.blogspot.com.br/Antônio Dias Tostes (rua):
-
Nº 300: Castelinho dos Bracher;

-Nº 310: Casa de Raphael Arcuri;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ 
-Nº 415;
-Nº 593;
-Nº 617;
-Nº 741.
Barão de Santa Helena (rua):
-
Nºs 65/81;

-Nº 195;
-Nºs 201/211;
-Nºs 217/229/245;
-Nºs 249/257;
-Nº 265;
-Nº 269;
-Nº 544.
Barão do Rio Branco (avenida):
-Sport Clube Juiz de Fora, antiga sede Social e arquibancada;
-Catedral Metropolitana de Juiz de Fora:

http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ 1844
-Nº 1262: Associação Cultural e Beneficente Ítalo-Brasileira Anita Garibaldi;
-Nºs 2153/2161/2165: Edifício Ciampi;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/
-
Nº 2231: 
Edifício Santa Helena: Construído em 1957, pertencia ao Dr. Diocleciano Teixeira de Carvalho, de Araraquara. Sediava o Café Astória, a Casa Lessa, a Sapataria Clark e a Casa do Café. Foi construído pela Cia Pantaleone Arcuri.
http://www.ricardoarcuri.com.br/jfora/ruaspracas/halfeld/index.html
-Nº 2234: Repartições Municipaes:
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ - 1918
-Nº 2347, Palacete Santa Mafalda, Grupos Centrais;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ - FINAL DA DÉCADA DE 1850
-Nº 2585: Casa de Itália;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ 
-Nº 2848: Capela do Cenáculo, Mural Apocalipse de Emeric Marcier;
-Nº 3029;
-Nº 3146: Círculo Militar 
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ -04/02/1934
-Nº 3263: Residência Colucci;
-Nº 3310: Escola Duque de Caxias;
-Nº 3353: Capela Senhor dos Passos;
-Nº 3353: Gruta N. S. de Lourdes;
-Nº 3372: Pró-Reitoria de Assuntos; Comunitários e Acervo Murilo Mendes;
-Nº 3408;
-Nºs 3512/3520/3530: Residência Íris Martins Villela.
Batista de Oliveira (rua):
-
Nº 377;

-Nºs 481/483: Casa Guaragil
http://protegidoslacs.blogspot.com.br/p/nesse-texto-sao-citados-irmaos-jamil-e.html-Nº 917;
-Nº 1040, Sobrado, quase em frente Antônio Dias. 
-Nº 1126: Instituto Granbery;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ 
-Nº 1152.
Benfica (bairro):
-Estação Ferroviária.
Benjamim Guimarães (rua):

-
Nº 315: Casa de Hóspedes da Fábrica Ferreira Guimarães.

Bernardo Mascarenhas (rua):
-1215, CEMIG;
-Nº 1334: Curtume Krambeck, chaminés e parede da fachada principal.
Bom Pastor (Bairro): 
-Igreja do Bom Pastor, fachada frontal da Painel em Mosaico A. Tanzani.
Borboleta (bairro),Trevo na entrada do bairro:

-Marco Comemorativo do Centenário da Imigração Alemã em Juiz de Fora;
Brasil (avenida):
-
Nº 2001: Anexo do Núcleo Histórico da RFFSA e Museu Ferroviário.

Braz Bernardino (rua):
-
Nº 59: Sociedade de Medicina e Cirurgia de Juiz de Fora. 

Caeté (distrito):
-Estação Ferroviária.
Chapéu D´Uvas (bairro):
-Estação Ferroviária.
Coronel Miranda (rua):
-Capela de Santa Theresinha.
Dias Tavares (bairro):
-Estação Ferroviária
Dona Maria Helena (rua):

-Nº 112: Colégio do Carmo.
Dr. Antônio Carlos (praça):
-4 ª. Auditoria Militar;
-4 ª. Circunscrição do Serviço Militar;
-4 º. Depósito de Suprimentos.
Dr. Hermenegildo Villaça (praça):

-Igreja de São Sebastião
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/- 20/03/ 1878
Dr. João Penido (praça)- Praça da Estação:
É um centro histórico importante de Juiz de Fora e recebeu este nome em homenagem a um médico e político de renome no século XIX
Surgiu com a construção da estação da Estrada de Ferro Dom Pedro II, em 1875 e fica localizada na parte baixa da Rua Halfeld, nas proximidades do Rio Paraibuna-Prédio da Estação da RFFSA;
Dr. João Pessoa (praça):
Do conjunto arquitetônico desse logradouro fazem parte o “Cine” Theatro Central os prédios de números 675, 695, 697 (Rua Halfeld) foi sede do Banco Boa vista e do Bradesco, estando atualmente sem ocupação; 703/ 711/ 715 
(Rua Halfeld) onde existiu por muito tempo a sede social do Tupinambás Futebol clube e as
Rádios Difusora e Industrial de Juiz de Fora, Cine Theatro Central - Galerias Azarias Vilela e Ali Halfeld.

-Teatro Central
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ -1929
Engenheiro Gentil Form (estrada):
- Espelho d’água da represa acima da Cachoeira do Vale do Ipê.
Espírito Santo (rua):
-Cia. Industrial e Construtora Pantaleone Arcuri;

http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ -1895-Nº 374: CEMIG (tombamento,somente muro da fachada);
-Nºs 425/427/431;
-Nº 467: Remanescentes das antigas instalações da Cia. Mineira de Eletricidade, Castelinho da CEMIG;
-Nº 651, Vila Iracema;
-Nº 764, Palacete Fellet;
Fazenda São Mateus:
-Conjunto Paisagístico.
Francisco Bernardino (bairro):
-Estação Ferroviária

Francisco Bernardino (rua):
-
Nºs 17/23/29/31 esquina com Rua Marechal Deodoro, 

-Nºs 20/26/32, Edifício Gattás Bara.
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br-FINAL DO SÉCULO XIX - OS ÁRABES EM JUIZ DE FORA
Garibaldi Campinhos (rua):
-
Nº 170: Colégio dos Santos Anjos.
Getúlio Vargas (avenida):
-
Nº 1: Escola Normal;
-Nº 250: Fábrica Bernardo Mascarenhas,
Mercado Municipal
http://protegidoslacs.blogspot.com.br/p/mercado-municipal.html;-Nº 362: Caixa Econômica Federal: Prédio construído na década de 1940, onde, por alguns anos, funcionou a Justiça do Trabalho quando foi instalada na cidade. 
http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1384946;
-
 444;
-s 513/513 A/515 esquina com Batista de Oliveira (rua). 
-s 457/457 A/457 B: Rio Hotel;
Café dia e Noite
https://lacstephan.wixsite.com/albumhjf - Marcas
-Nº 763; DCE, Antiga Diretoria de Higiene;
-s 792/796;
-s 858/860/864/868/876/882.
Halfeld (parque)
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ -1880
Halfeld (rua):
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/  -1878
- Câmara de Vereadores -Palácio Barbosa Lima http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ -20/03/1878
-s 199/203/207;213: Cine São Luiz:Foi um importante cinema da cidade, com capacidade de 816 espectadores, revestidas a couro legítimo, e funcionou entre os anos de 1959 a 2007.
Nessa casa eram exibidos grandes lançamentos nacionais e era frequentado pela alta sociedade juiz- forana e exibiu várias mostras de cinema-arte.
O alvará de construção desse prédio foi emitido em 1937, e seu proprietário era Luiz Cristóvão Dias, em 1954 a Companhia Central de Diversões transforma as lojas do andar térreo no Cinema São Luiz com capacidade de 816 espectadores, com poltronas revestidas a couro legítimo, e funcionou entre os anos de 1959 a 2007.
Nessa casa eram exibidos grandes lançamentos nacionais e era frequentado pela alta sociedade juiz-forana e exibiu várias mostras de cinema-arte.
No dia 30 de julho de 1975, a Companhia Cinematográfica Franco-Brasileira comprou o imóvel pelo valor de 400.000 cruzeiros dos proprietários Maria Amélia Lamas Dias, Maria de Lourdes Cristóvão Guimarães, Gabriel Ribeiro Guimarães, Erothides Dias Ladeira e Mario Hugo Ladeira.
A partir de meados da década de 1980, o cinema começou a passar somente filmes de gênero erótico e pornográfico, chegando a passar inclusive alguns clássicos do gênero pornô como: Império dos sentidos; Garganta profunda, Coisas eróticas e Contos eróticos. Nesta sua fase decadente, o horário de funcionamento era de 14h30 às 20h.

http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/cinema-sao-luiz/ 
-Nºs 229/235Edifício Wagner Pereira; A construção que já foi praticamente toda queimada por um incêndio e reformada pela família de seu construtor, um importante comerciante do passado, que dá nome ao prédio. Ele foi o primeiro prédio particular da cidade a ser tombado como patrimônio histórico. Foi também o primeiro a ter todos os quesitos de conservação cumpridos.
Hoje o prédio tem em suas dependências um pequeno centro comercial no primeiro andar e nos dois últimos o Estação Cultura: Estúdio de Dança Silvana Marques. -259/261/267/273 e 283, fachadas voltadas para Rua Halfeld e Rua Paulo de Frontin,
-284/288;
-289/293/301;
-Nºs 300/304: Hotel Capri;
-306/310/316/320: Funcionou o Hotel Charme, Restaurante Faisão Dourado,
https://lacstephan.wixsite.com/albumhjf - Marcas
Brasileira Móveis e Policlínica;
-322/324: Funcionou a Casa Fernandes;
- 332;
Nºs 337/343: Hotel São Jorge, Show Móveis e Chaveiro São José
-Nº-350/354/360/364: Hotel São Luiz e Farmácia América: 
O Hotel São Luiz funciona desde 1943, quando foi inaugurado. Possuí um jardim interno. Nas paredes, pinturas de Ramon Rodrigues, artista que pintou a catedral.
-s 342, 348: Cia Dias Cardoso:Prédio construído pela Cia. Pantaleone Arcuri, em 1916. Estilo europeu do século XX. Seu proprietário, Sr. Paschoal Dias Cardoso, um português muito respeitado e querido. Tinha um parque gráfico, livraria, papelaria, artigos para escritório, confecções de livros comerciais, além de vender instrumentos musicais.
-Nº 368;
-365/369: Funcionou a RS Móveis; 
-383/387/395;
-397/399/403/405;
-414/ 422: Edifício Banco Mineiro da Produção, Painéis de Alfredo Mucci;
-450:  Banco do Brasil, Projeto de Oscar Niemeyer;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/
-487/517;504 com Getúlio Vargas (avenida): Banco de Crédito Real inclusive Museu e arquivos e Pinturas decorativas parietais;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/- 1889
-494 e outros esquina com Getúlio Vargas 372 e outros: Palace hotel - década de 1940: O Palace Hotel foi construído pela Companhia Pantaleone Arcuri na Avenida Presidente Getúlio Vargas esquina com a Rua Halfeld, na década de 1940 e tornou-se o hotel mais chique da cidade, hospedando grandes nomes da política do país. 
Possuía um bonito salão de festas onde, nos carnavais, eram realizados matinés, chamadas de “ Baile dos Casados”; esse espaço, também, era utilizado para atividades culturais como teatro de arena. Em 1966 esteve em cartaz a peça “Coronel de Macambira”, de Joaquim Cardoso numa produção premiada do Teatro Universitário de Juiz de Fora. 
http://enciclopedia.itaucultural.org.br/evento516799/o-coronel-de-macambira
-533/547;
-581, esquina com Batista de Oliveira (rua): Cine Palace;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/-1948
-Nº 675;
-692/698/704/710/716: Ed. Sulacap;
-695/697;
-792/798/804: Funcionou o Posto de Serviço da TELEMIG; 
-Nº 805: Edifício Baependy- 16 /05/1948 : 
A história vista de cima. Fonte: Tribuna de Minas - 04/05/2008
Há 60 anos, Juiz de Fora parava para assistir a inauguração de um edifício. Tratava-se da primeira construção da cidade a alcançar a impressionante marca de 12 andares, o Baependy. Esse prédio foi o pioneiro de uma série de arranha-céus que marcaram o processo de verticalização da cidade e modificaram definitivamente a paisagem do Centro. Além da altura, o ousado empreendimento inovava, também, por ser totalmente dedicado a salas comerciais. Nas palavras do arquiteto Jean Kamil, a presença de um arranha-céu na Rua Halfeld simbolizava o domínio das técnicas de engenharia e a concretização do progresso. “Essa é uma forma de dizer que há desenvolvimento na minha cidade”, resume.
A inauguração do Baependy, em 16 de maio de 1948, foi noticiada em jornais como “O Globo” e a “Gazeta Comercial” como um acontecimento que antecipava em dois anos o início das comemorações do centenário de emancipação política de Juiz de Fora. Na época, nem mesmo na capital mineira, Belo Horizonte, havia prédio tão alto. Pouco mais de um ano depois, em 31 de maio de 1949, era inaugurado o Edifício Primus, também com 12 andares, mas destinado à ocupação residencial. Ambas edificações foram projetadas pelo engenheiro Deusdedit de Paula Teixeira Salgado, proprietário da Construtora Salgado S.A.
A presença desses dois arranha-céus, aliás, gerou uma perspectiva curiosa no Centro de Juiz de Fora. Ao lado de sobrados e casas de um andar, conviviam dois verdadeiros gigantes de concreto. Uma foto panorâmica, tirada poucos dias após a inauguração do Primus, mostra como os dois prédios destoavam do restante das construções.
Superação tecnológica
“Na época, a construção daquele edifício era considerada uma loucura do meu pai”, conta Carlos Alberto Salgado, filho de Deusdedit Salgado, que tinha apenas 12 anos de idade quando o prédio foi inaugurado. O engenheiro recorda um episódio curioso em relação a seu avô materno, o fazendeiro Francisco Evangelista Fonseca: ele foi procurado por conhecidos que pediam para que convencesse seu genro a não fazer o prédio. O grupo considerava improvável que um edifício daquela altura se mantivesse de pé. O medo era que o empreendimento terminasse em tragédia. (...)
Last edited by pseudo viajante; May 4th, 2008 at 07:54 PM.
-828/830 com Barão do Rio Branco (avenida) Nº 2189 Edifício : Clube Juiz de Fora, foi projetado por Francisco Bolonha e construído entre 1956 e 1958, substituindo o prédio antigo que foi destruído por um incêndio em 1950.
Tem 16 andares, sendo lojas no piso ao nível da rua e os três pavimentos mais altos foram reservados ao Clube Juiz de Fora
Na fachada para a Avenida Rio Branco, ao plano do passeio encontra-se o painel “As quatro estações”, de Cândido Portinari e toda sua fachada pela rua Halfeld são decoradas com pastilhas com desenhos de “Cavalos” criados pelo mesmo artista e Paulo Verneck.
Durante muitos anos o clube no edifício teve seu funcionamento constante, sendo frequentado pela alta sociedade de Juiz de Fora, mas, sofreu um grande declínio, ficando sem uso por um longo período.
-Nºs 703/711/715;
-Nº 1179: Colégio Cristo Redentor, antiga Academia de Comércio. 
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ -1894
Herman Toledo (rua) em São Pedro:
-Capela de Santana.
Igrejinha (bairro)
-Estação Ferroviária.
Juscelino Kubitschek (avenida):
-Pilares da ponte próxima ao trevo do Ponte Preta (bairro);
-Clube Hípico e Campestre de Juiz de Fora.

Laginha (parque)
-Bondes antigos.
Marechal Deodoro (rua):
-
Nºs 65/71/75;
-Nºs 80/82/90/92;
-Nºs 70/172/174/176131;
-Nºs 101/103/105/107;
-Nºs 116/118;
-Nºs 120/126/128;
-Nºs 165/171
-Nº 176: Casa Orion
http://protegidoslacs.blogspot.com.br/p/casa-orion.html-Nºs 183/187/193/203;
-Nºs 194/196/200/202: casa Chic;
http://protegidoslacs.blogspot.com.br/p/blog-page.html
-Nºs 
214/216;
-Nºs 217/221/225/229/233;
-Nºs 246/250;132. 
-Nºs 252/254;
-Nºs 256/260/266;
-Nºs 263/269/275 com Getúlio Vargas (avenida) 494: Casa Magalhães;
-Nºs 396/400/402/406;
-Nºs 416/418/422/424;
-Nº 470: Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, EBCT;
-Nºs 496/500/502/508/512: SUS;
-Nº 700, Igreja Metodista Central;
Nºs 828/830.
Marechal Floriano Peixoto (rua):
-
Nº 847 com Tiradentes (rua): “Palacete Caramuru”. 
Mariano Procópio (rua):
-Estação Mariano Procópio;
-Parque e Acervo do Museu Mariano Procópio;
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ - 1861
-Nº 782;
-
Nºs 828/830;
-Nº 970: Palacete Frederico Ferreira Lage, Q.G. da 4a Região Militar;
Osório de Almeida (rua):
-
Nºs 124 e 128, esquina com Antônio Dias Tostes (rua), nº 150;
-Nº 642, neocolonial verde;
-Cemitério Municipal, Mausoléu de Henrique Guilherme Fernando Halfeld.
Paulo de Frontin (rua):

-Nºs 137/145/153/161/169.
-Nº 196: Príncipe Hotel, construído na década de 20, não recebeu tantas personalidades como o Renascença. Talvez, exatamente por isso, ele tenha uma importância equivalente. Sem o glamour, do hotel mais antigo da Praça da Estação, ele com certeza era a alternativa para milhares de pessoas que desembarcava na Estação. Cumpria, portanto, seu papel entre os prédios que se localizavam na Praça: abrigava os estrangeiros e viajantes que que encontravam no fervilhante comércio e nas proximidades das fábricas que se instalavam nas áreas vizinhas à Praça Antônio Carlos o desenvolvimento e os ares de modernidade ausentes no interior.
-Nº 206: Associação Comercial: 
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/- 1896
-Nº 218;
-Nº 230: Hotel Renascença- Construído na década de 20, pertenceu inicialmente a um imigrante italiano. A região da Praça da Estação foi marcada pela fixação de imigrantes que se especializaram na prática comercial. Abrigou hóspedes ilustres como os presidentes Arthur Bernardes e Getúlio Vargas. Representa um período do auge ferroviário, representado em Juiz de Fora pelo Largo da Estação que teve seu processo de decadência iniciado com a instalação das rodovias. O hotel é um dos primeiros edificados na Praça da Estação com data anterior a 1893. A implantação do prédio, repete o esquema remanescente do período colonial de alinhamento nas divisas frontal e laterais do terreno, em forma de “U”, com comércio na parte inferior e a ocupação mais nobre, assoalhada, na parte superior.-196:
Paula Lima (distrito):
-Marco de Sesmaria.
Penido (bairro):
-Estação Ferroviária.
Pio X (galeria)

-Entre Rua Halfeld, Nºs 720/743 e Rua Marechal Deodoro  Nºs 461/481:
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ -1923
República (praça da):
-Marco Comemorativo do Centenário de Juiz de Fora de Di Cavalcanti.
Ribeirão das Rosas (estrada):
-
Nº 197:  Fazenda Ribeirão das Rosas.
Rosário de Minas (Distrito):
-Igreja N. S. do Rosário. 
Sampaio (rua):

-Nº 121. 
Santo Antônio (rua):
-Tiro de Guerra nº 17;
-
Nº 210;
-Nº 1112: Fórum da Cultura.
Santos Dumont (rua):
-Igreja N. S. do Rosário;
-
Nº 85;
-Nºs 828/830.
São Sebastião (rua):
-
Nºs 488/516/518: Cia. de Fiação e Tecelagem Santa Cruz. 
Sarandira (distrito):
-Igreja de Santana;
-Igreja N. S. do Livramento.
Senhor dos Passos (avenida):
-Esquina com Dimas Bergo Xisto, (rua) Igreja Luterana;
-Igreja de São Pedro.
Silva Jardim (rua):
Nº 296;
Nº 306.
Tenente Freitas (rua):
-
Nº 116: Instituto de Laticínios Cândido Tostes.
Tenente Paulo Maria Delage (rua):
Nº 930: Casa Colônia Alemã de Dona Eliza. 
União e Indústria (estrada): 
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ - 1861
-Usina de Marmelos:
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ - 1889; 

-Vila Operária da Usina de Marmelos;
-Usinas I e II, do Complexo de Marmelos.

Valadares (distrito):
-Estação Ferroviária.
Bens imateriais:
-Apito do meio-dia na Pio X (galeria)
http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/- 1923
-Batuque Afro-Brasileiro de Nelson Silva
-Concurso Miss Brasil Gay
-Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga.
-Pão Alemão

http://gastronomiaculturlaser.blogspot.com.br/p/comida-alema.html
Monumentos Tombados:
-Anita Garibaldi;
-Antônio Simão Firjan;
-À Mestra Primária;
-Princesa Isabel;
-Ruben Dário;
-Alfredo Ferreira Lage;

http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ - 10/01/1865
-Belmiro Braga;

-Bernardo Mascarenhas;

http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ 
-Caio Martins;
-Camões;
-Cristo Redentor;

http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ - 08/07/1906 
-Dilermando Cruz;
-Dom Justino;
-Dom Lasagna;

http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/  - 6/11/1895 - ACIDENTE DE TREM
-Dr. João Penido;
-Eduardo de Menezes;
-Expedicionários;
-Francisco Halfeld;
-Getúlio Vargas;
-Henrique Guilherme Fernando Halfeld;

http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ 
-Hermenegildo Villaça;
-Machado Sobrinho;
-Mariano Procópio;
-Menelick de Carvalho;
-Monsenhor Elias Maria Gorayeb;
-Oscar Gama;
-Procópio Teixeira;
-Trabalhador;
-Zamenhoff;
-Obelisco;
-Painel do Centenário;
-Morro do Imperador.

http://stephanhistoriadejuizdefora.blogspot.com.br/ 
SALVATERRA (ESTRADA)
-Fazenda Salvaterra-1873:Localizada no bairro de mesmo era uma acolhedora instância de repouso porque, no local, descobriu-se uma fonte de sais de tório, considerada benéfica para a saúde. Salvaterra acabou marcando época na vida social de Juiz de Fora. O fim do ciclo do café e da escravatura levaram-na ao quase abandono na década de 50.
Atualmente, reestruturada por Monica Veloso é uma empresa produtiva da produção orgânica.

Nenhum comentário: